Home » Amor que Inspira » O emocionante relato de um marido que quase perdeu sua esposa durante parto

O emocionante relato de um marido que quase perdeu sua esposa durante parto

No dia 9 de julho, o americano Dawson Willford fez um relato em sua rede social, sobre o dia em que ele e sua esposa, Jacqueline Willford, deveriam ter motivos apenas para ficarem felizes com a chegada de seu filho, porém as coisas saíram bem diferente do que planejaram. Jacqueline teve sérias complicações no parto e, Dawson quase se viu diante de um “adeus” à sua esposa, quando esperava apenas dizer “olá” ao seu filho.

Imagem: Facebook Dawson Willford

Facebook / Jacqueline Willford

Nesse texto, você encontrará toda a emoção que ele sentiu num dos momentos mais difíceis de sua vida, onde teve que tirar força e amparo de onde menos esperava para aguentar todo sofrimento deste momento.

“Em 7 de julho de 2016, às 12h13, minha mulher estava morrendo. Ela tinha acabado de passar por uma cesariana de emergência e entrou em choque. Eu fiquei em pé, próximo da cabeça dela, enquanto ela estava sangrando, e me lembrei de cada briga que já tínhamos tido e de tudo que eu nunca fiz por ela. Eu não podia deixá-la saber o quanto eu estava assustado. Eu fiquei em pé na frente da minha mulher dizendo a ela o meu último adeus! O que você diz para alguém sabendo que vai ser a última vez que você vai falar com esta pessoa?

Eu tentei confortá-la e dizer que tudo estava bem. Eu tentei sorrir e fingir que era tudo parte da operação. Eles chamaram ‘código azul’ e pessoas entraram correndo na sala de cirurgia. Ela estava tremendo tanto!!! Eu a beijei e pedi a Deus: ‘por favor, não a leve para casa.’ Eu pensei em todas as vezes em que eu faltei à missa. Eu pensei em como dar a má notícia para minha família. Tanta coisa passava pela minha mente, que eu não tive tempo de me alegrar com o meu filho. Eu tive que ser forte pela minha família. Eu tive que colocar o peso sobre os meus ombros e andar com a carga que é estar com a minha mulher morrendo na sala de cirurgia.

Eu não sabia o que dizer. Eu não queria rezar porque eu achei que Deus iria me dar as costas por eu não ser um bom cristão. Eu estava tão arrependido, e perguntei a Deus se ele, de alguma maneira, podia pelo menos ouvir este último pedido. Eu fui levado às pressas para outra sala e esperei por uns 10 minutos. Jackie finalmente apareceu e meu coração estava tão, tão, tão pesado. Eu quis pegá-la no colo e tirá-la do hospital como se tudo fosse ficar bem. Eu queria sair dali e que esse pesadelo acabasse!

Eu fiquei com Jackie por uns 3 minutos e o pior aconteceu. Ela perdeu 1 litro de sangue em alguns segundos. Eu não disse nada, eu estava com tanto medo. Eu olhei para a minha esposa e não consegui dizer uma palavra. Eu queria dizer ‘eu te amo’ e dizer a ela que estava tudo bem. Eu queria ajudá-la o máximo possível. Eu queria parar tudo e começar tudo de novo. Eu sabia que ela estava morrendo na minha frente.

Eles chamaram outro código azul! Desta vez, o meu coração parou. Eu pensei: ‘por que eu não rezei todas as noites? Por que eu não a amei como Deus me amou?’ Eu morri naquela sala! Eu realmente morri! Eu não sabia o que fazer mais uma vez. Eu assisti desesperançoso enquanto eles tentavam salvar a minha mulher. As pessoas estavam correndo e me empurrando para longe dela. Ela finalmente soltou uma palavra e foi como se o quarto tivesse ficado em silêncio. Ela pediu um pouco de água e eu sabia que ela estava deixando a Terra.

Eles levaram eu e meu filho para outra sala. Enquanto andávamos, eu vi minha mãe e minha família. Eu queria tanto que alguém me abraçasse. Eu queria que alguém me pegasse no colo feito criança e me dissesse que tudo ficaria bem. Eu não queria mais ser um homem. Eu queria chorar! Eu queria chorar para Deus e perguntar a ele ‘por que?’. Eu fiquei com a minha família por 2 minutos, olhando pra todo mundo e segurando as minhas emoções. Minha mãe me perguntou: “Como está a Jackie?”. Eu quase me descontrolei e chorei feito um bebê. Eu apenas encolhi os meus ombros e disse: ‘eu ainda não sei’. Eu estava mentindo, eu sabia que ela estava muito mal. Eu queria voltar correndo para a sala e abraçá-la, mas agora eu tinha que cuidar do meu filho. Ele teve que tomar antibióticos para prevenir que tivesse uma infecção.

Depois de uns 5 minutos eu perguntei a uma enfermeira se eu podia ver minha mulher e ela relutantemente disse que sim. O corredor para onde minha mulher estava tinha uns 30 metros. Eu andei 4 metros e comecei a chorar sozinho. Eu não consegui manter esta farsa por muito mais tempo. Eu tinha medo de voltar lá e ouvir a notícia. Eu queria que meu pai me confortasse! Eu ainda sou o filhinho dele.

Eu tinha mais uns 25 metros para andar e Deus falou comigo. ‘Gabriel, meu filho, eu te amo mais do que você imagina. Eu te ouvi e eu estava lá! Eu vi a cesariana. Eu ajudei os médicos a encontrarem o problema. Eu vi quando ela teve hemorragia e me certifiquei de que eles a parassem rapidamente. Eu estava esperando por você nesta sala quando você quis o seu pai. Não tem problema em me chamar. Eu sempre vou te amar. Assim como você me pediu para salvar a sua esposa. Eu tenho pedido ao meu pai para salvar o seu.’ Eu andei com mais amor no meu coração por tudo naquele momento.

Minha mulher e meu filho estão ótimos e serão liberados no domingo. Se você me vir na igreja, não me pergunte por onde eu andei. Apenas diga: ‘Eu estou feliz de ver que você está em casa!’.”

Facebook / Dawson Willford

Imagem: Facebook Dawson Willford

Diante deste emocionante desabafo de Dawson, eu faço algumas perguntas a você? Como anda seu relacionamento? Vocês brigam por qualquer coisa? Pense bem em cada atitude, pois num piscar de olhos e em qualquer momento tudo pode mudar, ou pior, acabar. O que você faz ou deixa de fazer é o que manterá sua consciência limpa num momento como estes. Valorize quem te ama e seja feliz com o que realmente importa nessa vida!

| Via: Elas |

Sobre Pqna Dai

Pqna Dai
Biotecnóloga / Especialista em cosmetologia, 23 anos. Pequena no tamanho, mas bem alta nos sonhos. Perfeccionista e detalhista, até não querer mais. Adora dançar e descobrir novos lugares para sair. Quase pediu o Frasco em casamento de tanto tempo que ficou esperando.

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*